Espalhe por ai:

O Comitê Arte pela Vida arrecada recursos há 24 anos para ajudar pessoas que vivem com HIV no Pará, sempre por meio de shows e exposições que lotam teatros. Em 2020, mesmo com a pandemia, a programação está mantida, mas sem as grandes aglomerações do velho normal. “Pensamos em eventos híbridos, presenciais e online, para abranger o maior número de pessoas. Como vivemos duas pandemias ao mesmo tempo, precisamos tomar todos os cuidados”, conta Francisco Vasconcelos, coordenador do grupo. A partir desta terça-feira (1º), o Arte pela Vida inicia campanha de conscientização sobre a importância do combate ao HIV, com ajuda de blitz educativa nas ruas de Belém, debates sobre o tema, exposições e shows. A iniciativa é inteiramente gratuita e faz alusão ao Dia Mundial de Luta Contra o HIV, 1º de dezembro.

Francisco avalia que 2020 foi um ano especialmente difícil para pessoas que vivem com o vírus por conta de todas as atenções estarem voltadas ao novo coronavírus. “A pandemia de aids é vivida por nós há 40 anos, sem vacina ou cura. Temos os tratamentos que nos garantem uma vida saudável, mas muitas pessoas ainda não possuem acesso a uma vida digna e dependem das nossas doações”, conta ele, que é aposentado e um dos fundadores do grupo. Atualmente, mais de 600 famílias são apoiadas pelo Arte pela Vida, seja com cestas básicas ou com medicamentos, além de outras assistências e doações feitas ao longo do ano. “Nossa preocupação é que, além da escassez de recursos este ano, muitas pessoas também abandonaram os tratamentos. Por meio da arte, que é o que toca o coração das pessoas, estaremos convocando as pessoas para se informarem, aprenderem sobre a doença e se prevenirem”, afirma Vasconcelos.

Programação:

Além da blitz educativa que o Arte pela Vida realiza em Belém até sábado, o grupo promove na tarde deste dia 1º uma roda de conversa sobre HIV/aids com a policial militar Amélia Garcia, que também é coordenadora do grupo, o infectologista Lourival Marsola e o antropólogo Ramon Reis, além da presença do próprio Francisco Vasconcelos. A conversa é aberta ao público e começa às 18h30 no espaço Ná Figueiredo, com transmissão ao vivo pelas redes sociais do grupo. Basta acessar @comiteartepelavida. A partir de quarta-feira (2) até sábado (5), a programação conta com a exposição de Barbies, shows de Arthur Espíndola, Viviane Batidão, Andréa Pinheiro e Mariza Black, além de performance de drag queens, sempre a partir das 20h no espaço Ná Figueiredo, na Gentil Bittencourt entre Benjamin Constant e Dr. Moraes. O ideal é chegar com antecedência, pois, para respeitar as medidas de combate ao coronavírus, o local contará com lotação de 100 pessoas, além da obrigatoriedade do uso de máscaras.

 

FONTE: Oliberal

Espalhe por ai:
https://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2020/12/hiv.jpghttps://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2020/12/hiv-150x150.jpgDa redaçãoEntretenimentobelém,HIVO Comitê Arte pela Vida arrecada recursos há 24 anos para ajudar pessoas que vivem com HIV no Pará, sempre por meio de shows e exposições que lotam teatros. Em 2020, mesmo com a pandemia, a programação está mantida, mas sem as grandes aglomerações do velho normal. 'Pensamos em...