Espalhe por ai:

A nova variante P.1 do coronavírus SARS-CoV-2 foi encontrada por pesquisadores em 91% das amostras que tiveram seu código genético sequenciado em janeiro no estado do Amazonas. O pesquisador Felipe Naveca, do Instituto Leônicas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), explica que a constatação consolida a variante como a dominante no estado, o que pode ser uma das razões para o aumento de casos de covid-19.

Segundo nota técnica publicada pelo grupo da Fiocruz, o percentual de 91% representa “um aumento substancial” na circulação da variante, que foi identificada pela primeira vez em uma amostra coletada em 4 de dezembro e estava em 51% das amostras analisadas no mês passado.

Foram sequenciados até o momento 24 genomas coletados em novembro, e em nenhum deles foi encontrada a presença da nova variante. Em dezembro, a P.1 estava em 51% das 55 amostras, e, até 13 de janeiro, em 91% dos 35 genomas sequenciados.

O surgimento de novas linhagens virais é um processo esperado, já que faz parte da natureza dos vírus sofrer mutações conforme se multiplicam ao longo do tempo.

“A variante tem como característica mutações na região da proteína spike, em especial na região de ligação ao receptor celular, que conferem a ela um provável aumento de transmissão”, explica Felipe Naveca, que se baseia na velocidade com que a variante se tornou dominante e em dados sobre mutações semelhantes que geraram as variantes encontradas no Reino Unido e na África do Sul. “A gente ainda precisa entender melhor se ela está relacionada com gravidade [da doença], mas o fato de ela ter sido encontrada com essa frequência e ter essas mutações nos sugere que ela é mais transmissível.”

Além de Manaus, a variante foi encontrada nos municípios de Careiro, Anori, São Gabriel da Cachoeira, Iranduba, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo, Tabatinga, Careiro e Manacapuru.

“Acreditamos, sim, que ela é uma das variáveis importantes relacionadas à explosão de casos, mas não é a única”, afirma Naveca. “Tivemos uma diminuição do distanciamento social que foi observada em uma crescente desde outubro e, principalmente, no Natal e no Ano-Novo”.

O estado do Amazonas e a capital, Manaus, tiveram em janeiro o pior momento da pandemia de covid-19, com a média móvel de mortes atingindo mais do que o dobro do recorde registrado em maio do ano passado, segundo o painel de dados Monitora Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Em 31 de dezembro, o estado do Amazonas tinha uma média móvel de 19,14 vítimas por dia, se considerados os últimos sete dias. Em 26 de janeiro, essa média chegou a 139,14 mortes por dia. Ao longo do ano passado, a pior média de mortes no estado foi em 9 de maio, quando chegou a 65,86 mortes diárias.

FONTE: Oliberal

Espalhe por ai:
https://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2021/01/viruscorona.jpghttps://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2021/01/viruscorona-150x150.jpgDa redaçãoBrasilA nova variante P.1 do coronavírus SARS-CoV-2 foi encontrada por pesquisadores em 91% das amostras que tiveram seu código genético sequenciado em janeiro no estado do Amazonas. O pesquisador Felipe Naveca, do Instituto Leônicas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), explica que a constatação consolida a variante como a dominante...