Espalhe por ai:

O grupo alimentação e bebidas foi responsável por crescimento

Puxada mais uma vez pela alta no preço dos alimentos, a prévia da inflação teve a maior variação para um mês de novembro desde 2015, de 0,81%, informou nesta terça-feira (24) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

A taxa é 0,13 ponto percentual menor do que o registrado em outubro, quando o índice registrou alta de 0,94%. De janeiro a novembro, o acumulado é de alta de 3,13%, enquanto nos últimos 12 meses é de 4,22%. Em novembro de 2019, a taxa subiu 0,14%.

O grupo alimentação e bebidas subiu 2,16% e foi responsável por influenciar 0,44 ponto percentual do índice geral do mês. No ano, o setor acumula alta de 12,12%.

Os preços dos alimentos para consumo no domicílio foram destaque no mês, subindo 2,69%. A maior influência foram itens importantes no consumo das famílias, como carnes (4,89%), arroz (8,29%), batata-inglesa (33,37%), tomate (19,89%) e óleo de soja (14,85%). A alimentação fora do domicílio acelerou 0,87%, puxada pelo item lanche (1,92%), enquanto refeição subiu 0,49%.

Todos os demais grupos também tiveram alta: transportes (1%), artigos de residência (1,40%), habitação (0,34%) e vestuário (0,96%), além de saúde e cuidados pessoais (0,04%), despesas pessoais (0,14%), comunicação (0,06%) e educação (0,01%).

Todas as regiões pesquisadas pelo IBGE registraram alta de preços, com destaque para Goiânia (1,26%), influenciada pela alta de 3,25% na gasolina. Por outro lado, a queda de -1,37% no preço do combustível fez Recife observar a menor alta (0,31%).

Espalhe por ai:
https://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2020/11/real-moeda-50-reais020120a84t47195204.jpghttps://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2020/11/real-moeda-50-reais020120a84t47195204-150x150.jpgDa redaçãoEconomiaBrasil,economia,NovembroO grupo alimentação e bebidas foi responsável por crescimento Puxada mais uma vez pela alta no preço dos alimentos, a prévia da inflação teve a maior variação para um mês de novembro desde 2015, de 0,81%, informou nesta terça-feira (24) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) A taxa é...