Espalhe por ai:
Britain’s Prime Minister Boris Johnson visits a warehouse at Oxford BioMedica where the Oxford/Astrazeneca Covid-19 vaccine is being manufactured in Oxford on January 18, 2021. (Photo by Heathcliff O’Malley / POOL / AFP)

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta sexta (22) que há “alguma evidência” de que a variante do Sars-Cov-2 identificada pela primeira vez na Inglaterra pode ser mais letal do que a versão original. Até então, supunha-se que ela fosse apenas mais contagiosa.

“Fomos informados hoje que, além de se espalhar mais rapidamente, agora também parece que há alguma evidência de que a nova variante -a variante que foi descoberta pela primeira vez em Londres e no sudeste da Inglaterra- pode estar associada a um maior grau de mortalidade”, afirmou ele, em entrevista.

O governo se baseou em um relatório publicado pela Saúde Pública da Inglaterra (PHE), que compila achados ainda parciais de diferentes grupos de estudo, com metodologias diferentes.

Um risco relativo maior de morte para a variante, em comparação com o coronavírus não modificado, foi encontrado em trabalhos preliminares da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, do Imperial College e da Universidde de Exeter -nos três casos, as análises foram ajustadas para idade, local, tempo e
outras variáveis.

Uma análise da PHE também relatou taxa de risco de morte maior para indivíduos infectados por variante, em comparação com os contaminados pelo coronavírus original. “Existem várias limitações para esses conjuntos de dados, incluindo representatividade dos dados de morte (menos de 10% de todas as mortes estão incluídas em alguns estudos) e vieses potenciais”, ressalta o PHE.

Para quantificar o aumento de risco, o conselheiro médico do governo britânico, Patrick Vallance, usou como exemplo um paciente de 60 anos: “O risco médio é de que 10 morram a cada 1.000 pessoas infectadas com o vírus original, enquanto 13 ou 14 têm risco de morrer com a variante”, afirmou. O risco seria maior em qualquer faixa etária, segundo ele.
Vallance ressaltou, porém, que são dados preliminares e há incerteza sobre eles.

O relatório do PHE observa também que, ainda que a hipótese de maior letalidade se confirme, “o risco absoluto de morte por infecção permanece baixo”.

Entenda a variante 
A variante do Reino Unido, também chamada de B.1.1.7, já foi detectada em pelo menos 44 países, incluindo os EUA e o Brasil. Ela tem uma mutação na proteína chamada S (de “spike”, ou espícula), usada pelo vírus para entrar na célula humana.

Na B.1.1.7, assim como nas outras duas variantes consideradas preocupantes, essa proteína sofreu uma mutação chamada de N501Y (apelidada de Nelly pelos cientistas), que permite que ela se transmita mais rapidamente.
De acordo com Patrick Vallance, as estatísticas mostram que a transmissão da B.1.1.7 é de 30% a 70% maior que a do vírus original, sem diferença entre as faixas etárias.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmou que ainda não havia visto os dados nos quais o governo britânico se baseou para cogitar um risco maior de a B.1.1.7 ser mais letal, mas disse que o simples fato de ser mais contagiosa já é suficiente para aumentar o número de vítimas.

“Quando há mais transmissão há mais hospitalização, mais superlotação dos hospitais e, em consequência, mais mortes”, afirmou a líder técnica para Covid-19 da OMS, Maria van Kerkhove.

“Até este momento não estamos vendo que a doença seja mais mortal, que mate mais em proporção do número de infectados. Mas o que realmente importa é que as medidas básicas de prevenção ao contágio evitam o aumento de mortes em qualquer dos casos”, afirmou o diretor-executivo para emergências, Michael Ryan.

O Reino Unido impôs confinamento restrito para conter a transmissão e tem intensificado o programa de imunização, que já vacinou mais de 5 milhões de pessoas, um décimo delas com as duas doses. Apesar disso, estudos mostram que o número de novos casos continua crescendo.

O diretor médico da Inglaterra, Chris Witty, afirmou nesta sexta que o número de hospitalizações no Reino Unido está crescente, atingou um nível “extraordináriamente alto” e ainda deve levar semanas para começar a cair. A mesma tendência é vista no número de mortes.

Vacinas e prevenção
Ele disse que pessoas já vacinadas devem continuar evitando contatos com outros, já que, de acordo com os levantamentos mais recentes, a cada 55 pessoas no país uma tem o vírus (em Londres, 1 a cada 35). Whitty afirmou que, além de não haver certeza sobre o efeito da vacina no contágio, ela também demora para proteger contra a Covid-19.

Mesmo com uma vacina muito eficaz, há um período de duas ou três semanas na qual o efeito ainda não é forte. “A proteção não será completa nem mesmo com as duas doses”, segundo ele.

Segundo Boris, os dados indicam que as vacinas da Pfizer/BioNTech e de Oxford/AstraZeneca (que também integra o programa de vacinação brasileiro) são eficazes contra essa variante e outras consideradas preocupantes, identificadas na África do Sul e no Brasil. O estudo da Saúde Pública da Inglaterra, porém, não menciona vacinas.

De acordo com a diretora de imunização da OMS, Katherine O’Brien, ensaios clínicos para determinar se as vacinas têm o mesmo efeito em relação às variantes mais preocupantes ainda estão em curso: “Cada vacina pode ter um resultado diferente com cada variante. É muito cedo para saber”.

Mas, segundo ela, o risco é sempre maior quando a transmissão está alta, porque isso pode propiciar novas mutações. “Temos que esmagar a transmissão ao máximo, para que a vacina tenha todo seu potencial aproveitado”.

FONTE: Folha de Pernambuco

Espalhe por ai:
https://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2021/01/reino-unido1.jpghttps://www.braganews.com.br/wp-content/uploads/2021/01/reino-unido1-150x150.jpgDa redaçãoInternacionalO primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta sexta (22) que há 'alguma evidência' de que a variante do Sars-Cov-2 identificada pela primeira vez na Inglaterra pode ser mais letal do que a versão original. Até então, supunha-se que ela fosse apenas mais contagiosa. 'Fomos informados hoje que, além...